Nota de apoio à Ocupação Tiradentes está aberta a novas adesões

Em recente decisão da Justiça,  foi concedida a liminar de reintegração de posse do terreno, localizado na Cidade Industrial de Curitiba. A ação coloca sob ameaça de despejo as 800 famílias moradoras. Neste contexto, está sendo articulada esta nota de apoio à Ocupação Tiradentes.

Foto: Joka Madruga

Foto: Joka Madruga

O objetivo é reunir organizações, entidades, coletivos e movimentos sociais em apoio à Ocupação, organizada pelo Movimento Popular por Moradia – MPM. As famílias permanecem no local até que haja alguma negociação e que a moradia digna seja garantida. A nota está aberta à adesão. Para assiná-la, escreva para comunicacao@cefuria.org.br.

Confira a nota:

CURITIBA – Nota de solidariedade e apoio à Ocupação Tiradentes

Para: Prefeito de Curitiba; Governador do Estado do Paraná; COHAB-CT; Câmara Municipal de Curitiba; Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado do Paraná; Assembléia Legislativa do Paraná; Ministério das Cidades; Presidência da República.

Nós, organizações abaixo assinadas, manifestamos nossa solidariedade e apoio à Ocupação Tiradentes, organizada pelo Movimento Popular por Moradia (MPM), que reúne cerca de 800 famílias de trabalhadores/as sem teto e está sob ameaça de despejo. Desde a madrugada do dia 17 de abril, o terreno de 145.200 m², localizado na Rua dos Palmenses, 3721, na Cidade Industrial de Curitiba – CIC, vive uma profunda transformação: de uma área abandonada há anos, passou a espaço de moradia para centenas de pessoas. Os primeiros dias foram em baixo de lona, barracos improvisados, mas que já abrigavam famílias inteiras, inclusive crianças e idosos. Passado um mês, as moradias avançaram para madeirite, tábua e coberturas que protegem melhor da chuva e do frio de Curitiba.   

A luta pela moradia é saída para pessoas que sofrem com a constante elevação das taxas de inflação no preço dos aluguéis e dos imóveis, aliado ao aumento do desemprego (em especial, na indústria) e à diminuição da atividade econômica. Esta situação simplesmente tem impedido o acesso à moradia digna por grande parte da população dos bairros mais pobres de Curitiba e Região Metropolitana. Soma-se a isso o grande atraso no início do programa Minha Casa Minha Vida 3, do governo federal, originariamente prometido para julho de 2014, adiado em seguida para janeiro de 2015 e que permanece sem data para sua efetiva implantação.  Nesse contexto, um estudo da Fundação João Pinheiro mostra que o déficit habitacional em Curitiba era de 68.835 habitações em 2011 e passou para 86.820 em 2012, um crescimento de 26,1%.

E, enquanto para parte dos trabalhadores/as o direito à moradia é mera letra morta na legislação brasileira, a especulação imobiliária ou o puro interesse privado deixam terrenos e prédios vazios, inutilizados, no centro e na periferia das cidades. É o caso da área da Ocupação Tiradentes. O lote é de propriedade da massa falida denominada STIRPS, em falência desde 2009, e que possui uma série de dívidas de IPTU. O terreno também já foi flagrado abrigando ilegalmente lixo e resíduos perigosos do aterro privado Essencis, colocando em risco o meio ambiente e a saúde pública. Além disso, foi publicado amplamente na mídia o fato de a Essencis realizar contratos e obter licenças ambientais sob suspeita na área da Ocupação Tiradentes, sendo o caso investigado pelo Ministério Público, Polícia Civil e outros órgãos públicos.

Apesar das explícitas irregularidades e do impasse sobre a propriedade do terreno que, em todo caso, mostra o descumprimento da função social da propriedade urbana, houve uma decisão recente da 17ª Vara Cível de Curitiba que concedeu liminar em favor da empresa Essencis, ordenando despejo das 800 famílias moradoras da Ocupação Tiradentes. A decisão ignora as tentativas de negociação feitas pelas famílias, por meio de manifestações em órgãos públicos. A decisão atende somente os interesses empresariais, e ignora qualquer possibilidade de diálogo e conciliação na busca de uma solução efetiva para o problema da moradia digna.

Nós viemos alertar os efeitos dramáticos que o despejo forçado das famílias pode causar. Apelamos para que todas as vias institucionais de negociação sejam realizadas, inclusive Audiências Públicas. Não é justo que centenas de famílias moradoras da Tiradentes sejam despejadas sem qualquer solução habitacional. Esperamos que reine o bom senso e que não vejamos um conflito violento e massacre de trabalhadores/as sem-teto.

Solicitamos que os governos federal, estadual e municipal se sensibilizem com a situação das famílias e com a maior brevidade atendam suas reivindicações, assim como garantam que as negociações com o movimento aconteçam sem nenhum tipo de violência.

Paz, justiça e moradia digna para as famílias da Ocupação Tiradentes!

Curitiba, 26 de maio de 2015.

Assinam:

  1. Assessoria Jurídica Popular Lutas Londrina
  2. Associação Comunitária Vila Esperança e Nova Conquista
  3. Associação dos Geógrafos Brasileiros – Seção Curitiba
  4. Associação dos Professores da UFPR – APUFPR-SSIND
  5. Assessoria Popular de Maringá
  6. Câmara Regional Boqueirão
  7. Cefuria – Centro de Formação Urbano Rural Irmã Araújo
  8. Centro de Formação Milton Santos-Lorenzo Milani
  9. Centro Jesuíta de Cidadania e Ação Social de Curitiba
  10. Coletivo Alzira – Coletivo de Estudo de Gênero da Universidade Positivo
  11. Coletivo Anália
  12. Coletivo Anarquista Luta de Classe – CALC/CAB
  13. Coletivo de Mídia Livre Rádio Gralha
  14. Coletivo O Estopim – Paraná
  15. Coletivo Quebrando Muro
  16. Consulta Popular do Paraná
  17. Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação da UTFPR
  18. Direitos Pra Todxs
  19. Feira Permanente de Economia Solidária
  20. Federação dos Trabalhadores em Empresas der Crédito – Fetec/CUT-PR
  21. Frente Paranaense pelo Direito à Comunicação e Liberdade de Expressão – FRENTEX/PR
  22. Frente de Solidariedade a Ocupação Jardim Maravilha
  23. Ambiens Sociedade Cooperativa
  24. Instituto Democracia Popular
  25. Levante Popular da Juventude – Paraná
  26. Instituto de Pesquisa Direitos e Movimentos Sociais – IPDMS
  27. Movimento Assessoria Jurídica Universitária Popular – MAJUP Isabel da Silva da UFPR
  28. Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto – MTST
  29. Movimento Nacional da População de Rua
  30. Movimento Nacional de Luta pela Moradia – MNLM
  31. Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) de Curitiba
  32. Movimento de Organização de Base – MOB
  33. Núcleo Periférico do Partido Socialismo e Liberdade – PSOL
  34. Partido Socialismo e Liberdade – PSOL
  35. Promotoras Legais Populares de Curitiba
  36. Periferia Ativa
  37. Rede Pinhão dos Clubes Troca
  38. Seção Sindical dos Docentes da Universidade Tecnológica Federal do Paraná -SINDUTF-PR
  39. Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região
  40. Sindicato do Jornalistas Profissionais do Estado do Paraná – Sindijor/PR
  41. Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná – SINDIURBANO/PR
  42. Terra de Direitos – Organização de Direitos Humanos
  43. Terra Sem Males
  44. Turma de Direito do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – Pronera da UFPR

3 comentários sobre “Nota de apoio à Ocupação Tiradentes está aberta a novas adesões

  1. familia unida jamais sera vencida é o que somos MPM fazemos o trabalho que deveria ser feito pelos puliticos lutar por um teto digno que é um direito de todo cidadão brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 5 =